Google+ Badge

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

PLANTAS PARA AMBIENTES FECHADOS



Se você mora em uma casa que não tem quintal grande, num apartamento sem varanda ou possui uma área externa em que não bate sol, nada disso é motivo para você não possuir folhas e flores por perto. Existem espécies de plantas que preferem ficar longe da luz direta do sol, e outras que se contentam com uma pequena dose diária.
Todas as espécies precisam de luz solar para realizar a fotossíntese. Porém, a quantidade necessária varia bastante entre as espécies, classificadas em três grupos: pleno sol, meia-sombra e sombra.
Enquanto o primeiro grupo exige a incidência direta dos raios por um mínimo de quatro horas diárias, o segundo grupo parece seguir os conselhos dos dermatologistas, pois só gosta de sol no período da manhã ou no fim da tarde, nunca ao meio-dia. A última espécie adora a luminosidade indireta, que pode ser filtrada pela janela.
De modo geral, qualquer clima convém ao cultivo das espécies de sombra, contudo, a tendência é que brotem e se desenvolvam mais rapidamente em regiões quentes. A grande maioria não tolera o frio extremo.
Molhá-las diariamente quase nunca é recomendado. Como não há contato direto com o sol, a terra demora a secar. Consequentemente, as raízes podem ficar encharcadas e acabar apodrecendo. A frequência ideal costuma ser de duas regas semanais no verão e uma no inverno. Mas sempre vale recorrer ao truque de tocar a terra: se ela ainda estiver úmida, é sinal de que não precisa de mais água.
Uma característica comum a essas plantas são as folhas largas e grossas, que, por viverem confinadas, tendem a ficar opacas e empoeiradas. Para limpá-las, use um pano umedecido ou sprays de água e, se quiser deixá-las mais vistosas, recorra a produtos específicos. Retire as folhas secas e amarelas sempre que aparecerem.
O solo adequado é bem drenado e rico em matéria orgânica. Adube-o com húmus de fertilizante composto de farelos orgânicos, a cada quatro meses.
CONHEÇA ALGUMAS DESSAS PLANTAS:
PAU D'ÁGUA
Esse arbusto com uma linha amarela no meio das folhas é muito usado para decoração em vasos. Ideal para decorar escritórios, ela é resistente ao ar condicionado e não precisa ficar diretamente exposto ao sol. Deve ser regada quando a superfície da terra estiver seca. Nome científicoDracaena fragrans. 

ZAMIOCULCA

Uma das plantas mais usadas em ambientes internos, a Zamioculca continua bonita mesmo quando não recebe os cuidados adequados. Precisa ser regada somente uma vez por semana e fica bem tanto em ambientes com luz, quanto sem luz - mas é bom evitar sol direto, que pode queimar suas folhas. Nome científico: Zamioculcas zamiifolia. 

ROSA DE PEDRA

É uma suculenta, planta que armazena água nas folhas e caules, que tem o formato parecido com o de uma rosa. É muito usada para fazer arranjos em vasos com outras suculentas e cactos. Deve ser regada apenas uma vez por semana, pois a umidade pode apodrecer suas raízes. Não tolera muito sol. Nome científico: Echeveria SP. 

MINICACTOS

Esses pequenos cactos são ótimos para compor arranjos. Ao contrário dos cactos grandes, eles não devem ser expostos à luz direta do sol e vivem melhor em ambientes internos bem iluminados. Para saber quando regar verifique se a terra está seca - em geral as regas são semanais. Nome científico: Mamillaria SP. 

PALMEIRA CHAMAEDÓREA


Uma das mais populares plantas para interior, a palmeira chamaedórea fica bem em vasos e não passa dos dois metros de altura. É muito fácil de cuidar: gosta de ambientes úmidos e longe da luz direta do sol. A rega tem que ser frequente, para manter a terra sempre úmida. Nome cientifico: Chamaedorea elegans 

PALMEIRA RÁFIS

Com múltiplos caules semelhantes ao bambu, a Ráfis cresce ereta como suas folhas plissadas. É muito usada sozinha em vasos para escritórios ou para montar jardins de inspiração oriental. Fica bem em todo tipo de iluminação. É importante regá-la com frequência sem encharcar seu substrato. Nome científico: Rhapis excelsa 

LICUALA

Imponente, essa palmeira tem grande capacidade ornamental. Pode ser usada para compor um jardim interno, com bromélias e orquídeas, ou sozinha em vasos. A licuala não deve ficar exposta à luz direta do sol, mas precisa estar em ambiente iluminado com luz indireta. Borrife água em suas folhas. Nome científico: Licuala grandis 

Nenhum comentário:

Postar um comentário