Google+ Badge

sexta-feira, 22 de março de 2013

O CONSOLO DE DEUS NA BELEZA DO IPÊ AMARELO





Conhecido como a cor dourada do Brasil, ele é encontrado em todas as regiões do país, e sempre chama a atenção de todos. Em 1961, o então presidente Jânio Quadros declarou o ipê-amarelo, da espécie Tabebuia vellosoi, a Flor Nacional. Desde então o ipê-amarelo é a flor símbolo de nosso país. O ipê-amarelo é uma árvore que quando floresce faz a alegria das cores nas ruas e parques da cidade.
Resistente, durável, exuberante, apreciada pela beleza de suas flores, o ipê amarelo é visto como símbolo da primavera. Mede entre 4 a 10 metros, com tronco de 30 a 40 cm de diâmetro. Sua dispersão é descontínua e irregular. Com a chegada da primavera, as flores começam a desabrochar com mais frequência, colorindo campos e cidades.
O ipê amarelo floresce de acordo com o rigor do inverno. Quanto mais intenso for o inverno, mais saturadas serão as cores da sua flor. É a árvore brasileira mais conhecida, a mais cultivada e, sem dúvida nenhuma, a mais bela. É na verdade um complexo de nove ou dez espécies com características mais ou menos semelhantes, com flores brancas, amarelas ou roxas. Não há região do país onde não exista pelo menos uma espécie dele, porém a existência do ipê em habitat natural nos dias atuais é rara entre a maioria das espécies.
O ipê-amarelo é uma espécie heliófita (planta adaptada ao crescimento em ambiente aberto ou exposto à luz direta) e que perde as folhas em determinada época do ano. Pertence ao grupo das espécies secundárias iniciais. Com ramos grossos, tortuosos e compridos, o ipê-amarelo possui copa alongada e alargada na base. As raízes de sustentação e absorção são vigorosas e profundas. O ipê-amarelo abrange locais de clima tropical, subtropical úmido, subtropical de altitude e temperado.
A espécie prefere solos úmidos, com drenagem lenta e geralmente não muito ondulados. Aparece em terras de boa à média fertilidade, em solos profundos ou rasos, nas matas e raramente cerradões. Cientificamente existem aproximadamente 12 tipos de ipês com flores em tons amarelos espalhados pelo país. Entretanto, eles não são encontrados em todas as regiões do país como nos estados do Sul, a Tabebuia serratifolia predomina no restante do território nacional, enquanto a Tabebuia alba ocorre principalmente do Paraná ao Rio Grande do Sul.

Família: Bignoniaceae

Espécie: Tabebuia
Sinonímia botânica: Handroanthus albus (Chamiso) Mattos; Tecoma alba Chamisso
Outros nomes populares: ipê-amarelo, ipê, aipê, ipê-branco, ipê-mamono, ipê-mandioca, ipê-ouro, ipê-pardo, ipê-vacariano, ipê-tabaco, ipê-do-cerrado, ipê-dourado, ipê-da-serra, ipezeiro, pau-d’arco-amarelo, taipoca.


A Tabebuia produz madeira de grande durabilidade e resistência ao apodrecimento. Caracteriza a espécie como de cor pardo-havana-claro, pardo-havana-escuro, ou pardo-acastanhado, com reflexos esverdeados. A superfície da madeira é irregularmente lustrosa, lisa ao tato, possuindo textura media e grã-direita.
A entrecasca do ipê-amarelo possui propriedades terapêuticas como adstringente, usada no tratamento de garganta e estomatites. É também usada como diurético. O ipê-amarelo possui flores melíferas e que maduras podem ser utilizadas na alimentação humana. É comumente utilizada em paisagismo de parques e jardins pela beleza e porte. Além disso, é muito utilizada na arborização urbana.
Ao ser utilizada em arborização urbana, o ipê amarelo requer podas de condução com frequência mediana. Num paisagismo planejado corretamente, plantas com florações de cores que não combinam com o amarelo do ipê podem ser colocadas, mas sua época de aparecimento deverá ser diferente, dando ao jardim nova atração.
“Na frente da minha casa tem uma árvore de ouro”. 

2 comentários:

  1. A primeira foto não é de um ipê amarelo. Aparentemente alguma árvore com folhas (não flores) amareladas outonais, das áreas temperadas do hemisfério norte. Pesquisar floresta outonal para conferir. Abraços

    ResponderExcluir